Vendas com cartão de crédito x Sonegação

Proponho você fazer um pequeno teste:

          – Vá ao Google;

         – Digite: Vendas com cartão de crédito;

         – Veja os resultados!

Em sua grande maioria você vai encontrar propagandas e dicas de bancos lhe informando como é fácil, rápido e prático vender com cartão de crédito. Mais algum destes anúncios vão lhe ensinar como registrar e como proceder com a arrecadação destas vendas? Não!

Em matéria divulgada recentemente na mídia, e nas redes sociais, assustou muitos empresários de diversos seguimentos: “Receita vai monitorar e cruzar informações das vendas com cartões de crédito e faturamentos informados pelas empresas”.

Entenda o erro e o crime

Veja bem, entenda o processo: Todas as vendas, independente da emissão de nota ou não, são base de cálculos dos impostos (Seja o empresário MEI, Simples Nacional, Lucro Presumido ou ainda Lucro Real, para pagamento de PIS/COFINS). Quando o empresário não informa o montante das vendas realizadas, sejam elas a vista, a prazo ou mesmo na modalidade de cartão de crédito, essa ação, conforme a legislação fiscal, caracteriza o crime de sonegação, comumente conhecido como crime contra a ordem tributária!

Pontos de atenção

Quando as informações de vendas são repassadas para os contadores, que por sua vez vão informar o montante das vendas para que os impostos sejam calculados, muitas vezes este profissional nem sabe que seu cliente vende na modalidade cartão de crédito. Então não tem como transferir para este profissional a responsabilidade do erro na informação. Nem tentar penalizá-lo por cobranças futuras de impostos não pagos.

Alguns empresários pensando ser bem espertos, solicitam as máquinas de cartão de créditos e seus cadastros como pessoa física, para que as vendas não fiquem registradas como venda da empresa. Outro erro básico. Logo logo os órgãos de fiscalização vão chegar a esse “enriquecimento ilícito” por parte da pessoa física, que vai cobrar essa conta bem mais salgada, ou seja, com a tributação máxima do imposto das pessoas físicas (27,5% de IRPF, 20% de INSS, e podendo ser cobrado ainda 5% de ISS, dependendo do caso).

Nunca fui pego e nem vou ser

Cuidado com esse pensamento, hoje com os sistemas de cruzamentos de informações essa invisibilidade ou cegueira das instituições de fiscalização estão com os dias contados. Com a implantação de novos sistemas que no prazo de 06 meses a 01 ano, tudo vai ser mais rápido e eficiente, como é o caso da implantação do eSocial, EFD Reinf e outros sistemas que vão facilitar ainda mais o cruzamento de dados.

Fique atento. Mesmo que até o momento você não tenha sido “incomodado” pelos órgãos fiscalizadores, saiba que eles possuem um período de 05 anos para cobrar essa conta de você, então sugerimos que você procure regularizar as situações fora da legislação o mais breve possível.

Mais controle e certeza das informações

Muitos empresários estão fugindo dessas práticas, evitando assim a possibilidade de ter surpresas futuras. Um negócio rentável e duradouro não é feito com erros de processos e com sonegação de impostos. Na formação do preço dos produtos e dos serviços, os custos, despesas, impostos e margem de lucro estão contemplados, já falamos sobre isso inclusive em outras matérias específicas, então porque tentar burlar a legislação ou acreditar que seu negócio precisa cometer fraudes para conseguir sobreviver?

Entenda: Se seu negócio não está rentável deve estar ocorrendo erro, ou erros, na gestão ou nas operações que estão inviabilizando o negócio, e isso não é culpa da carga tributária ou da capacidade de gerar sucesso do seu negócio. Hoje o número de empresários que pensão desta forma é maior do que os empresários que pensão em fazer coisas erradas! Talvez o que falte para seu negócio ser rentável seja uma boa consultoria, uma melhor forma de gerar as informações e uma metodologia melhor de controle e mensuração de resultados. Pense nisso!

Tenha certeza de uma coisa: você só pode administrar aquilo que você pode medir e controlar. Ter um controle parcial, ter os números da empresa na cabeça, controlar os negócios de forma centralizada, ter certeza que ninguém melhor do que você pode gerir o negócio, são pensamentos errôneos. Não sou eu quem está dizendo isso.

Faça uma pequena leitura dos livros mais famosos de administração e controle de empresas que você vai chegar a esta mesma conclusão. Busque hoje mesmo a ajuda de um contador experiente em gerar resultados positivos do seu negócio e que possa lhe ajudar no controle, guarda, processamento de suas informações gerenciais. Conte sempre com a ajuda de um profissional contábil!